Amanhã e domingo, os bravos pilotos do Campeonato de Portugal de Montanha, irão subir a Rampa do Caramulo.
A Vettra Motorsport terá à partida três bólides, com Gabriela Correia a pilotar o Seat Leon MkIII, José Correia, no Osella e Pedro Marques no Cupra TCR. Augusto Vasconcelos, por motivos profissionais, não irá marcar presença na Rampa do Targa Club.
Na Covilhã os pilotos apresentaram um andamento vivo, que deixou contente Luís Borges. Para esta prova, o director da Vettra reforça isso mesmo “a Covilhã é uma rampa talismã para a Vettra Motorsport e os seus pilotos. Todos se sentiram à vontade, com andamento vivo, rápido e consistente. Até o pequeno deslize que Pedro Marques teve é a prova disso mesmo: que há confiança, que há vontade de andar mais depressa; e quando se anda depressa, o risco é maior. Mas é assim que se formam pilotos!”.
Por isso, no Caramulo, o andamento terá que ser idêntico: “a Rampa do Caramulo é mais curta e estreita, mas acredito que com o conhecimento que os meus homens e os pilotos têm dos carros e do traçado, vamos chegar às melhores afinações para que possamos lutar pela vitória nas mais diversas classes e categorias.”.
A prova de 2019, daquela que é rotulada de “mítica Rampa do Caramulo”, marca por isso o 40º aniversário da sua primeira edição. Foi no ano de 1979 que as curvas que serpenteiam a Serra do Caramulo, e que levam da Vila do Caramulo ao Cabeço da Neve, passaram a fazer parte da história do automobilismo nacional, com a primeira edição da Rampa do Caramulo.







A carregar